13 janeiro 2008

Versões

Na sexta-feira, dia 11, o centro da cidade do Rio de Janeiro mais uma vez foi surpreendido com essas notícias que chamam a atenção: dessa vez foi uma bomba. Sim, uma bomba, na sede do Banco do Brasil, na rua Senador Dantas.
Logo que estacionei o carro, o guardador me recepcionou dizendo "hoje a chapa tá quente!", tem uma bomba no prédio do Banco do Brasil".
Quando me aproximei, centenas de pessoas estavam "acampadas" em frente a rua, impedidas de entrar pela Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.
Encostado a uma coluna, proximo a esquina da rua, ouvia as pessoas chegarem com as versões mais variadas sobre o ocorrido.
Jornalistas e fotógrafos estavam perfilados procurando o melhor ângulo.
Mas as versões...
Vamos a elas: "é incêncio! Mas cadê a fumaça?", "não é bomba, é ameaça!" , "Nada, é bomba mesmo". "O que houve? é suicidio!".
Resumindo este post - nao creia nas primeiras versoes! Pronto.

2 comentários:

Lulya disse...

kkkkkkkkkkkkkk.... essa é mto boa!!!!! Ainda bem que nem passei pelo centro nesse dia , certamente teria criado a minha versão 9rsrsrsrsr) Infelizmente as pessoas ( não me tirando dessa ;)) deliram muito né??? Acho que o fato em si perde a graça então "resolvemos criar vesãoes delirantes " pra que talvez a vida tenha um sabor maior de aventura.

wellison magalhães disse...

é bem possível, as versoes tambem alimentam nossa imaginaçcao e nossas vontades. Aquilo era o que queríamos que fosse, embora nao tenha realmente sido. beijos.